No universo onírico de Kar-wai

Você já sofreu por amor? Ou, melhor, você já foi abandonado(a) por alguém, sem entender direito por que, e desde então sua vida anda meio estranha? Se sim, já é meio caminho andado para entender o que é o universo de Wong Kar-wai. Universo que está presente em dois filmes do diretor chinês recém-lançados em DVD: "Felizes Juntos" (1997, Lume Filmes, foto) e "Dias Selvagens" (1991, Imagem Filmes, só para locação).
 
Essas duas produções reúnem todas as características que tornaram Kar-wai mais do que mero objeto de culto entre cinéfilos (a narração em off, para desespero dos professores de roteiro, cortes abruptos, trilha nostálgica e ocidental etc.). Seus filmes são, antes de tudo, objetos de fetiche, onde a forma tem poder determinante, quase ofuscante, mas não esvazia a força poética e cinematográfica do que está sendo contado.
 
Em "Felizes Juntos", um casal chinês gay que vive às turras resolve ir à Argentina (eles querem ver as cataratas do Iguaçu). Terminam. Resolvem ficar em Buenos Aires. Um deles vira porteiro de boate. O outro, michê. E eles sofrem, enquanto são embalados pelo mais melancólico dos tangos. "Felizes Juntos" marca o reconhecimento "oficial" de Kar-wai, que ganhou o prêmio de melhor diretor em Cannes com o longa.
 
"Dias Selvagens" é outro tipo de marco. Trata-se do pontapé numa espécie de trilogia de Kar-wai, que seria seguida por "Amor à Flor da Pele" (2000) e "2046" (2004). Não espere, no entanto, algo que realmente ligue "Dias Selvagens" a esses dois outros filmes.
 
Neste longa, ambientado nos anos 60, Leslie Cheung é o Don Juan que vai abandonando mulheres apaixonadas, até o dia em que resolve ir atrás de sua verdadeira mãe biológica.
 
A conexão entre os três filmes está no clima, na eterna temática que Kar-wai repete em toda a sua obra, e que, volta e meia, lhe rende comparações com Michelangelo Antonioni. Kar-wai também se pergunta: o que é real, o que é imaginário? Foi um sonho? O que é o passar do tempo e a memória?
 
O único porém desses dois lançamentos são os extras, que se resumem a textos e trailers (a edição norte-americana de "Felizes Juntos", da Kino Vídeo, por exemplo, traz extras como um documentário de 59 minutos sobre o filme). Mesmo assim, são DVDs necessários, e pouco a pouco as distribuidoras estão completando essa lacuna nas lojas. De Kar-wai, há ainda, no Brasil, "Amor à Flor da Pele", "Conflito Mortal" (nome tosco para "As Tears Go By") e "Eros", em que ele dirige um dos episódios. Se você procurar bastante, vai achar em VHS o fundamental "Amores Expressos" e "Anjos Caídos".

A seguir, o trailer de "Dias Selvagens".